Entrevista: Primordial

Primordial é uma banda irlandesa que virá ao Brasil pela primeira vez tocar no festival Thorhammerfest, que ocorrerá em São Paulo neste fim de semana e em Curitiba, Paraná. Capitaneada pelo vocalista A.A.Nemtheanga, a banda Primordial sempre misturou o Black Metal tradicional ás suas raízes Celtas. Com vários álbuns clássicos em sua carreira como To the Nameless Dead e Storm Before Calm, Primordial vem ao Brasil divulgar seu mais recente petardo chamado Exile Amongst the Ruins. Batemos um papo com o vocalista para saber um pouco mais sobre a banda e o que podemos esperar de um dos shows mais esperados do ano.

Por Marcos Franke

Exile Amongst the Ruins é o último álbum lançado pela banda. Como estas músicas estão funcionando ao vivo?

A.A.Nemtheanga: Bem. Algumas são um pouco mais lentas, com mais texturas e possuem dinâmicas diferentes do álbum anterior ou dois. Eu canto muito mais e há algumas estruturas um pouco diferentes e alguns estilos novos, então pessoalmente elas tem alguns elementos desafiadores mas nada de outro Mundo.

PRIMORDIAL-EATR_web.jpg

Eu imagino que vocês estão empolgados para vir ao Brasil e apresentar suas músicas. Quanto tempo vocês estão ensaiando para o show?

A.A.: Não o suficiente :). Vamos ensaiar este fim de semana pela última vez e acredito que estaremos bem, mas acho que temos mais músicas do que a gente precisa agora…

Vocês tocam músicas antigas também?

A.A.: Claro, mas certamente não tocaremos nada do primeiro álbum, mas do segundo para frente certeza.

As mais velhas parecem ser mais longas do que as novas que vocês têm lançado, não? As mais antigas parecem levar o ouvinte para um lugar mais obscuro..

A.A.: Na verdade acho que não. As músicas do Primordial estão sempre na faixa de seis a nove minutos. Algumas só estão abaixo disto, mas não há muitas que estão na faixa dos dez minutos.

Alguns álbuns clássicos do Primordial estão sendo relançados aqui no Brasil como o A Journey’s End. Você poderia escrever um pouco sobre a experiência em compor o álbum?

A.A.: Honestamente eu desconheço de todos os relançamentos que estão acontecendo. Bom, este álbum tem 21 anos agora, então o gravamos quando éramos muito jovens. Tenho orgulho dele e mostra uma maturidade sendo ele o primeiro álbum e possui uma atmosfera trágica e um sentimento de desamparo e olhando para trás, este álbum se destacou sozinho. Não consigo pensar em muitos álbuns que soaram assim. Com este álbum pode-se dizer que achamos o nosso estilo.

Primordial-AJourneysEnd-BOX-RE-300.jpg

O álbum The Gathering Wilderness também foi uma viagem para uma escuridão inóspita. Gosto muito fa música ‘The Golden Spiral’ – há uma música que você ama neste álbum e que possui um lugar especial no seu coração? Você poderia escrever um pouco sobre ele?

A.A.: Bom, eu suponho que ‘Coffin Ships’ é uma música que possui a nossa assinatura no álbum. Não é meu álbum favorito pessoalmente por causa da produção que nunca foi o que eu queria que fosse, mas ele significa tanto para tantas pessoas e isto já está muito bom.

Primordial_TheGatheringWilderness.jpg

Você assistiu ao filme Lords of Chaos? Qual é a sua opinião sobre como o black metal é figurado neste filme?

A.A.: Eu assisti sim. Eu achei que figurar o filme com atores que possuem sotaques americanos uma decisão bem ridícula. Os telespectadores estão mais acostumados com drama escandinavo com sotaques nórdicos. Todo o filme agora parece mais um filme de besta de adolescentes.

Primordial é uma banda que se aproxima mais da natureza e da arte primitiva, certo? Como você explicaria o seu jeito de fazer Black Metal?

A.A.: Eu realmente não sei. Deixarei isto para as outras pessoas descreverem…

Official2019.jpg
%d blogueiros gostam disto: