Septicflesh e Fleshgod Apocalypse dão aula de Death Metal Sinfônico em São Paulo

A Overload novamente acerta na mosca e traz dois grandes representantes do death metal sinfônico para São Paulo, provando, que o público comparece quando a música e de alta qualidade!

Texto: Marcos Franke

Fotos: Yuri Murakami

Nós aqui de São Paulo temos muita sorte. Temos sorte de sermos o país do “se vira nos 30”. Claro, herdamos isto de diversas outras culturas e de imigrantes que vieram para cá. Os italianos do Fleshgod Apocalypse compartilham este espírito conosco. Após mudanças em sua formação, uma semana antes de vir para a sua primeira turnê na América do Sul, a banda ao pousar no Brasil, teve uma parte de sua bagagem extraviada. Nesta bagagem estavam parte essencial do equipamento para a apresentação do quinteto. A Overload correu e conseguiu o equipamento para que a banda pudesse se apresentar por aqui. Com um atraso justificável, os italianos subiram no palco com sangue nos olhos e deram um show de performance. Paolo Rossi (baixo, vocais limpos), Francesco Paoli (guitarra, vocais), David Folchitto (bateria), Fabio Bartoletti (guitarra), Francesco Ferrini (piano) e Veronica Bordacchini (soprano) passaram pela ainda curta discografia da banda, explorando ao máximo o excelente álbum King, lançado em 2016 pela Nuclear Blast. Destaque para a maquiagem e roupagem da banda, que no palco parecia mais um conjunto de mortos-vivos apresentando uma orquestra antiga. Incrível! O público curtiu muito a banda, mesmo sendo ele composto por fãs do Septicflesh. Destaque também para a soprano Verônica Bordacchini – que voz absurda esta mulher possui. Em Epilogue (Labyrinth/2013) pudemos testemunhar o drive desta grande profissional – que performance!

A vez do Septicflesh foi marcada com diversos problemas no som. Tivemos vocais baixos, baixo elétrico baixo demais, mas que no geral foram solucionados com um pito do baixista, vocalista Spiros Antoniou em grego!!! Enquanto isto Christos Antoniou (guitarra), Dinos Prassas (guitarra) e Kerim Lechner (bateria) destruíam ao som de clássicos como Communion (Communion/2008) e o mais recente clássico de seu mais recente álbum Codex Omega, Martyr – que música absurda ao vivo. Spiros não parava quieto e agitava o público o tempo todo. Irrequieto, sempre empunhava seu baixo ou o apontava para o público, levando o mesmo ao delírio em muitas ocasiões. Grandes momentos foram aqueles em que descrevia as canções como em Prototype (Titan/2014), quando disse ao público que nós somos apenas o protótipo para o caos generalizado ou quando anunciou Anubis (Communion/2008) quando enalteceu a cultura da morte dos egípcios! Que grande trabalho de samplers a banda traz com ela! Todas as orquestrações ficaram perfeitas ao vivo, mesmo com a ausência de um teclado. Um dos grandes momentos do show foi a grande performance do grupo em Portrait of a Headless Man (Codex Omega/2017) – que música incrível ao vivo! O “sizão” do baixo realmente faz uma diferença e tanto para músicas que utilizam um grave tão baixo. O show dos gregos terminou com a grandiosa ‘Prometheus’ (Titan/2014) com promessa de não deixar o público brasileiro esperando tanto tempo para o seu retorno. Que grande show foi este, onde pudemos testemunhar o nascimento de novos fãs do Fleshgod Apocalypse e a consagração de uma das maiores bandas de death metal sinfônico do planeta – o Septicflesh. Parabéns a Overload pela iniciativa em trazer estas bandas para São Paulo!

 

 

 

 

SETLIST

Fleshgod Apocalypse

March Royale (King/2016)

In Aeternum (King/2016)

Healing Through War (King/2016)

Cold as Perfection (King/2016)

The Violation (Agony/2011)

Epilogue (Labyrinth/2013)

Gravity (King/2016)

The Fool (King/2016)

The Egoism (Agony/2011)

Syphilis (King/2016)

Septicflesh

Dogma of Prometheus Orchestral (Titan/2014)

War in Heaven (Titan/2014)

Communion (Communion/2008)

Pyramid God (The Great Mass/2011)

Martyr (Codex Omega/2017)

Prototype (Titan/2014)

The Vampire from Nazareth(The Great Mass/2011)

Portrait of a Headless Man (Codex Omega/2017)

Unbeliever (Sumerian Demons/2003)

Persepolis (Communion/2008)

Anubis (Communion/2008)

Prometheus (Titan/2014)

Spotify Setlist:

https://open.spotify.com/user/miojoman/playlist/2DFdA7wvPUPBdBl5vW2puR

 

%d blogueiros gostam disto: