Septicflesh: Expectativa alta para os shows no Brasil.

Os gregos do Septicflesh estão vindo para o Brasil promover seu mais novo álbum Codex Omega – e os que testemunharão este grande evento, não somente verão a melhor formação da banda, mas também uma seleção de músicas que simplesmente deixarão a todos boquiabertos. Com uma produção incrível, o álbum Codex Omega traz gravações de orquestras e de corais verdadeiros misturados á tradicional violência do death metal melódico. Conversamos com Sotiris Vayenas para saber mais sobre o excelente álbum da banda e a expectativa em finalmente conhecer os headbangers brasileiros!

 

Eu me sinto são, mas como dizem, as pessoas insanas nunca sabem que elas estão loucas…” – Sotiris Vayenas, Septicflesh

Por Marcos Franke

Colaboração: Angelo Costa Saggio

 

Qual é o significado da evolução do logo da banda através dos tempos?

É uma coisa que está sempre mudando, já que curtimos muito as diferentes perspectivas visuais de nosso logotipo. Então, houve uma evolução e tanto de nosso logotipo básico até este representado em Codex Omega. Nosso logotipo atual foi criado por um time na Corn Studio, que é especializado em design digital.

Esta versatilidade em sua música é algo adquirido através de anos lançando álbuns. Como vocês conseguem lançar algo novo mesmo continuando o bom e velho Septicflesh a cada lançamento?

Provavelmente isto acontece por que todos os membros da banda são compositores e cada um de nós possui influências diferentes. O resultado final é uma combinação de ideias que diferem muito um da outra. Como banda nós amamos experimentar e nos obrigar a ir além daquilo que já fizemos no passado.

Esta versatilidade é comprovada na faixa ‘Portrait of a Headless Man’, do álbum novo Codex Omega. Vocês realmente usaram instrumentos de sopro de verdade mixadas a música ou são apenas teclados? Me conte um pouco do porque vocês escolheram esta música para se destacar tanto neste álbum novo?

Na música ‘Portrait of a Headless Man’ nós combinamos pela primeira vez uma orquestração típica barroca com melodias do oriente tocadas em instrumentos tradicionais chamados duduk, enquanto os riffs de guitarra possuem um som moderno e afiado. As letras para esta música também são uma crítica obscura a sociedade moderna e a mentalidade de rebanho. Por isso ela é especialmente longa, trazendo muitos elementos novos ao nosso som. Por ela ser tão memorável, decidimos até fazer um videoclipe dela.

A orquestração é algo que já acompanha o Speticflesh há algum tempo. Você conseguiria imaginar sua música sem ela hoje em dia? Você acha que a banda soaria pesada mesmo sem ela?

Nós somos uma banda muito pesada em todos os casos. Mesmo lá no começo da banda, nossas músicas eram sinfônicas por natureza, com muitas linhas musicais tocando ao mesmo tempo. No começo não tínhamos dinheiro muito menos a experiência para isto, então confiamos muito em sintetizadores no começo e samplers para as nossas partes sinfônicas. Aos poucos inserimos vocais femininos, corais, etc. Assim que nosso guitarrista Christos conseguiu seu diploma na Universidade e fez seu mestrado em orquestração, decidimos mergulhar neste Mundo e usar orquestras reais para nossas músicas. Mesmo que os sons de sintetizadores tenham melhorado e muito com o tempo, a performance Humana é simplesmente incomparável. Christos também é mestre em usar ao máximo as qualidades sonoras do som de orquestras, compondo partes especificas para cada instrumento. Assim hoje, temos um som muito rico e cinemático. Amamos este som e certamente continuaremos a usar ele.

‘Enemy of Truth’ por exemplo, possui melodias que são todas orquestradas. É difícil fazer melodias usando apenas guitarras para um som tão nobre como o Speticflesh possui?

‘Enemy of Truth’ é uma composição feita por Christos e foi primeiramente composta para uma orquestra e nós tivemos que nos virar em usar guitarras e uma bateria apropriada.  Nós trabalhamos duro nesta música e tentamos dezenas de opções diferentes antes de chegar a versão final da música. Krimh (N.R.: Kerim “Krimh” Lechner), nosso novo baterista, teve um papel importante para completar esta música. Ele não apenas achou a parte rítmica desta música, como também ajudou na maioria dos riffs.

Sua música é tão refinada que até coral ela possui. Como não gostar de música com corais! Como foi gravar momentos tão épicos como estes para o álbum Codex Omega?

Eu tive a oportunidade de testemunhar as gravações dos corais. Foi uma experiência incrível. Após um longo período gravando guitarras, foi uma boa oportunidade de sentar um pouco e aproveitar a performance do coral, antes de chegar à fase final da gravação e produção do álbum.

Eu amei a ideia de ter uma igreja no fundo do oceano. Quando ouvi pela primeira vez, tive certeza que era do conto de H.P.Lovecraft – The Call of Chtulhu. O quanto as histórias dele interferiram no processo de criação das letras para o álbum?

H.P.Lovecraft é um de meus autores preferidos e sou fascinado pelo mito de Chtulhu. Eu tive esta ideia da igreja no fundo do oceano logo no começo ao compor a música. Foi tarde da noite quando a melodia principal e o refrão surgiram em minha mente e eu comecei a imaginar que eu estava submerso na água, dentro de uma igreja muito velha e bizarra. Esta ideia combinando melodia e atmosfera ficou em minha mente. Mais tarde eu comecei a desenvolver ela e pensei em mesclar o conto de Chtulhu ao mistério de Atlantis e assim surgiram as letras para esta música.

Você ainda está são depois disto? Afinal de contas, todos ficam loucos após histórias de H.P.Lovecraft…

Eu me sinto são, mas como dizem, as pessoas insanas nunca sabem que elas estão loucas…

Além disso, acho que esta é a música mais pesada do álbum, não acha?

Sim, é a música mais extrema e obscura do álbum novo. Possui uma aura de black metal até. É algo que surgiu naturalmente.

Com letras tão complexas e músicas incríveis só podem ser seguidas por uma arte tão imponente quanto. Onde surge a inspiração para as capas dos álbuns?

Temos sorte em ter Seth Siro Anton (N.R.: Spiros “Seth” Antoniou) na banda. Além de ser baixista e vocalista, ele também é um artista visual renomado com um estilo pessoal característico. Ao passar dos anos ele já fez diversas capas de álbuns para o Paradise Lost, Nile, Vader, Moosnpell, etc…. Sua mente é a responsável pelo aspecto visual do Septicflesh e ele possui a conexão final com os temas do álbum que obviamente funcionam muito ao nosso favor.

Vocês estão vindo ao Brasil para alguns shows. Quais são as expectativas para estes shows?

O público brasileiro possui uma reputação muito boa e por isso temos expectativas muito grandes.

Vocês vão trazer material de vocês para venda nos shows aqui? Alguns são muito difíceis de encontrar aqui.

Sim, vamos trazer coisas nossas para aqueles que estiverem interessados.

Seria incrível testemunhar vocês tocando com uma orquestra sinfônica. Vocês já o fizeram em algum país?

Não, ainda não levamos uma orquestra para nossos shows ainda. É algo muito caro e precisa ser muito bem organizado. Mas é claro, será algo que faremos em algum ponto.

Muito obrigado pela entrevista e espero encontrar com vocês por aqui. Deixe sua mensagem para os fãs! Obrigado!

Será ótimo vir ao Brasil! Horns up, para todos os headbangers daí!

Facebook: https://www.facebook.com/septicfleshband

Twitter: https://twitter.com/septicfleshband

You Tube: https://www.youtube.com/user/Septicfleshoffcial

Instagram: https://www.instagram.com/septicflesh_band/

Spotify: https://open.spotify.com/artist/5MlEt7qqXqNSReeX76xK6b

 

SERVIÇO SÃO PAULO

Overload orgulhosamente apresenta: Septicflesh & Fleshgod Apocalypse pela primeira vez em São Paulo.

Data: 12 de outubro de 2017 (quinta-feira) – São Paulo/SP

Local: Hangar 110 – Rua Rodolfo Miranda, 110 – Bom Retiro (Metrô Armênia)

Horário:

18h30 (abertura do portão)

Show: 20h

Classificação: 16 anos

Ingressos:

Pista Promocional* 1º lote R$ 120

Camarote Promocional* 1º lote R$ 180

Pista 1º lote R$ 240

Camarote 1º lote R$ 360

* Doe 1 Kg de alimento não perecível.

 

Pontos de venda:

Loja Paranoid (Galeria do Rock) – Pagamento apenas em dinheiro.

Demais pontos de venda: Clube do Ingresso

Ingressos online (sujeito a taxa de conveniência): Clube do Ingresso

Realização: Overload

SERVIÇO LIMEIRA

Atrações: Septic Flesh, Fleshgod Apocalypse

Quando: 13 de outubro de 2017

Horário: 20:00

Onde: Bar da Montanha

Endereço: Avenida Laranjeiras, 2601 – Vila Eliza Fumagalli – Limeira/SP

Censura: 18 anos

Ingressos – valores:

R$ 89,00 (Primeiro lote)

Demais lotes – consulte valores com a produtora do evento.

Não estudantes devem levar 01 quilo de alimento não perecível.

Vendas:

Internet: http://www.circleofinfinityproducoes.com/events/septicflesh-e-fleshgod-apocalypse-sexta-feira-13

Em Limeira: Loja Sintonia, Loja Classics Forever

Em Vinhedo: Attitude Headbangers House

Em Americana: Heavy Metal Rock

Informações:

http://www.circleofinfinityproducoes.com

https://www.facebook.com/circleofinfinityproducoes

SERVIÇO RIO DE JANEIRO

Data: 14 de outubro de 2017 (sábado) – Rio de Janeiro/RJ

Local: Teatro Odisséia (Av. Mem de Sá, 66 – Lapa)

Horário:

16H (Abertura da casa)

Entrada permitida para maiores de 18 anos.

Menores de 18 anos entrada permitida com acompanhameto integral do pai, mãe ou responsável legal.

Ingressos:

2º Lote – Pista – Meia-entrada R$ 100,00

2º Lote – Pista – Promocional (doe 1 Kg de alimento não perecível) R$ 100,00

2º Lote – Pista – Inteira R$ 200,00

Pontos de venda:

Loja Paranoid (Galeria do Rock) – Pagamento apenas em dinheiro.

Demais pontos de venda:

http://www.clubedoingresso.com/ondecomprar

Ingressos online através do Clube do Ingresso (sujeito a taxa de conveniência):

http://www.clubedoingresso.com/septicflesh-fleshgodapocalypse

%d blogueiros gostam disto: