Dark Tranquillity faz show emocionante em São Paulo.

Suecos fazem setlist especial para os fãs de São Paulo

 

Por Marcos Franke

 

A tradicional casa de shows de São Paulo, Clash Club, foi o ponto de encontro para um dos melhores shows do ano. A banda Dark Tranquillity iniciou seu show ás 19:30 pontualmente após uma breve introdução com ‘Force of Hand’ (Atoma/2016). Formada por Mikael Stanne (vocais), Anders Jivarp (bateria), Mastin Brändström (teclados), Niklas Sundin (guitarra) e Anders Iwers (baixo), a formação que veio ao Brasil foi um pouco diferente. Com Nikas Sundin cuidando de seu recém-nacido filho, tivemos a presença de Christopher Amott (ex-Arch Enemy, Armageddon) em seu lugar. O guitarrista que acompanha a banda em turnês, Johan Reinholdz (ex-Skyfire, Andromeda), também esteve presente. A banda não demorou para aquecer logo o público presente com ‘The Lesser Faith’ (Fiction/2007) emendando logo com a já clássica ‘Atoma’ (Atoma/2016) – uma das faixas de um dos melhores álbuns de 2016. A grande interação entre Christopher Amott e Johan Reinholdz, evidenciam que a dupla vem treinando já algum tempo juntos. O grande destaque fica a para a voz irretocável de Mikael Stanne nos limpos e nos graves. É impressionante a abrangência vocal deste músico e sua concentração ao mesclar vozes guturais e limpas. Interagindo muito com o público, Mikael introduz ‘The Treason Wall’ (Damage Done/2002) com a já tradicional arte de Niklas Sundin no telão, interagindo com cada momento da melodia.

A agressividade do Death Metal sueco viria a mostrar sua cara com a pesadíssima ‘Science o Noise’ (Construct/2013). O riff emblemático da música entrosado com a guitarra base, característica do Death Metal sueco, traz à melodia um sentimento melancólico inevitável. As linhas de baixo ficam mais evidentes com ‘Forward Momentum’ (Atoma/2016) que juntamente com a bateria de Anders Jivarp, trazem á música um ritmo que combina agressividade e continuidade. A agressividade da banda parecia não ter mais limites até anunciarem ‘Terminus’ (Fiction/2007) – uma das músicas mais pesadas da banda. O público até abriu uma roda tímida num dos momentos mais incríveis do show.

Logo após tocarem ‘The Silence in Between’ (Construct/2013) era a vez do momento mais que especial para uma das fãs em frente do palco ao tocarem ‘The Mundane and the Magic’ (Fiction/2007), que cantou a parte da voz feminina com Mikael Stanne diretamente da platéia. O curioso era que a garota era cantora profissional e se chama Laura Giorgi da banda Final Disaster – que grande interpretação! Impressionou e muito o vocalista Mikael Stanne que emocionado a abraçou. Que momento! Com a dupla ‘Final Resistance’ e ‘Monochromatic Stains’ a banda retorna para o álbum clássico da banda, Damage Done (2002). São grandes hinos do Death Metal!

Os ânimos não tem tempo para esfriar e a banda continua seu setlist com ‘The Wonders at Your Feet’, do grandioso Haven (2000) – um grande marco para a banda. Para mim um dos grandes momentos do tecladista Martin Brändström no show! O peso continua com ‘White Noise/Black Silence’ (Damage Done/2002) e o clássico instantâneo ‘Encircled’ (Atoma/2016) – uma das melhores músicas do álbum Atoma (2016). Mikael continua a impressionar com sua voz gutural, que não deixa a bola cair em ‘Clearing Skies’ (Atoma/2016) – uma das músicas mais agressivas do álbum, apesar da melancolia. Em ‘Endtime Hearts’ (Construct/2013) percebe-se o peso da mão de Anders Iwers nas cordas de seu baixo – que grande performance do músico. Um dos grandes momentos do show foi o público cantando o refrão para ‘ThereIn’ (Projector/1999).

A banda saiu do palco para retornar em minutos para o BIS com a grandiosa ‘State of Trust’ (Construct/2013) e a pesadíssima ‘Through Smudged Lenses’ (Character/2007) – um representante de um dos álbuns mais polêmicos da banda. A banda encerra seu show com a grandiosa ‘Misery’s Crown’ (Fiction/2007) – o suprassumo dos clássicos da banda. Para quem teve paciência, a banda não deixou a casa sem cumprimentar seus fãs distribuindo autógrafos e tirando fotos. Que grande show! O Death Metal melódico de Gothemburgo está muito bem representado com o Dark Tranquillity – Bravo! [MF]

 

LINE-UP TURNÊ

Mikael Stanne – vocal

Anders Jivarp – bateria

Christopher Amott – guitarra

Johan Reinholdz – guitarra

Martin Brändström – teclados

Anders Iwers – baixo

 

 

SETLIST

Intro

Force of Hand (Atoma 2016)

The Lesser Faith (Fiction 2007)

Atoma (Atoma 2016)

The Treason Wall (Damage Done 2002)

Science of Noise (Construct 2013)

Forward Momentum (Atoma 2016)

Terminus (Where Death is Most Alive) (Fiction 2007)

The Silence in Between (Construct 2013)

The Mundane and the Magic (Fiction 2007)

Final Resistance (Damage Done 2002)

Monocromatic Stains (Damage Done 2002)

The Wonders at Your Feet (Haven 2000)

White Noise/Black Silence (Damage Done 2002)

Encircled (Atoma 2016)

Clearing Skies (Atoma 2016)

Endtime Hearts (Construct 2013)

ThereIn (Projector 1999)

BIS

State of Trust (Construct 2013)

Through Smudged Lenses (Character 2005)

Misery’s Crown (Fiction 2007)

%d blogueiros gostam disto: