Amon Amarth faz show marcante para casa lotada em São Paulo.

CULTURA: SÃO PAULO,SP, 27.05.2017 - AMON AMARTH - TROPICAL BUTANTÃ - Amon Amarth durante apresentação na Tropical Butantã, em São Paulo/SP, neste sábado, 27. (Foto: Flavio Hopp / RockSP)

A missão da banda de abertura é sempre dar uma boa impressão e fazer uma espécie de aquecimento para as atrações principais. O Sinaya, banda de death metal de Sampa, aceitou o desafio. Formada em 2010, é uma das poucas bandas composta somente de garotas dentro da cena extrema. Com Mylena Monaco (vocais, guitarra), Renata Petrelli (guitarra), Camila Toledo (Baixo) e Cynthia Tsai (bateria) o quarteto tocou duas música de seu EP titulado “Obscure Raids” chamada Legion of Demons e Obscure Raids – o restante do set foi composto de músicas que estarão em seu primeiro álbum de estúdio mas são velhas conhecidas para os fãs que acompanham a banda. Always Pain, Infernal Sight, Bath of Memories são músicas que a banda sempre executa com tranquilidade em seus shows.

FlavioHopp-20170527-Sinaya-009.jpg

O show do norueguês Abbath foi um dos momentos mais incomuns da noite. Para a felicidade de todos os presentes, o músico não trouxe apenas músicas extremas de seu primeiro álbum Abbath (2016), mas também, trouxe grandes clássicos do Immortal, sua antiga banda. Com seu tradicional corpsepaint, Abbath, juntamente com King e Silmaeth, a princípio não tiveram problemas em executar seu setlist, até a guitarra de Abbath parar de funcionar. Com dificuldades técnicas, o músico parou algumas vezes em Ashes of the Damned para reclamar de sua guitarra, depois o microfone e no final decidiu passar pela música sem seu instrumento mesmo. Para os fãs, no entanto parecia um grande teatro. Foi um dos momentos mais divertidos da noite, apesar do aborrecimento que o músico teve. Abbath ainda tocou grandes clássicos do Immortal como In My Kingdom Cold, Tyrants e One By One, todas do clássico Sons of Northern Darkness (2002) e encerrou seu show com All Shall Fall (All Shall Fall/2009), também do Immortal. Que grande show foi este do Abbath.

Abbath em apresentação na Tropical Butantã

A banda mais aguardada da noite, no entanto foram os vikings do Amon Amarth. Divulgando seu mais novo petardo chamado Jomsviking (2016), Johan Hegg (vocais), Johan Söderberg (guitarra), Olavi Mikkonen (guitarra), Ted Lundström (baixo) e o mais recente integrante da banda, Jocke Wallgren (bateria), pisaram no palco e foram recepcionados como reis. Com músicas que contemplaram o início de sua discografia, como as sensacionais Runes to My Memory e Cry of the Blackbirds, ambas do acalmado álbum With Oden On Our Side (2006) e as clássicas Tattered Banners and Bloody, Guardians of Asgaard e Twilight of the Thundergod, todas do grandioso Twilight of the Thunder God (2008), Amon Amarth teve um som impecável e não teve falhas técnicas. O show percorreu com grande tranqülidade, com grandes momentos de interação entre público e banda. Johan Hegg, o grande frontman da banda, é um grande vocalista e com isto, conseguiu não apenas a simpatia dos fãs de black metal presentes na casa de show, como os fez cantar juntos clássicos de sua mais recente discografia como as pesadíssimas Destroyer of the Universe (Surtur Rising/2011) e Father of the Wolf (Deceiver of the Gods/2013). Alguns fãs incondicionais até cantaram letras de músicas do álbum mais recente da banda, o aclamado pela imprensa Jomsviking (2016), como First Kill, The Way of Vikings e At Dawn First Light. Que grande show este que o Amon Amarth deu na casa de show Tropical Butantã em São Paulo. A banda, ao deixar o palco, prometeu seu retorno em breve.

Amon Amarth em apresentação na Tropical Butantã

Setlist Amon Amarth:

Pursuit of Vikings (Fate of Norns/2004)

As Loke Falls (Deceiver of the Gods/2013)

First Kill (Jomsviking/2016)

The Way of Vikings (Jomsviking/2016)

At Dawns First Light (Jomsviking/2016)

Cry of the Blackbirds (With Oden On Our Side/2006)

Deceiver of the Gods (Deceiver of the Gods/2013)

Tattered Banners and Bloody (Twilight of the Thunder God/2008)

Destroyer of the Universe (Surtur Rising/2011)

Death in Fire (Versus the World/2002)

Father of the Wolf (Deceiver of the Gods/2013)

Runes to my memory (With Oden On Our Side/2006)

War of the Gods (Surtur Rising/2011)

Raise Your Horns (Jomsviking/2016)

Guardians of Asgaard (Twilight of the Thunder God/2008)

Twilight of the Thundergod (Twilight of the Thunder God/2008)

 

%d blogueiros gostam disto: