Tarja traz turnê explosiva para São Paulo e demonstra que está longe de se aposentar com hits de seus novos álbuns Shadow Self e Brightest Void.

SÃO PAULO,SP, 20.05.2017 - TARJA TURUNEN - TOM BRASIL - Tarja durante apresentação no Tom Brasil, em São Paulo/SP, neste sábado, 20. (Foto: Flavio Hopp / Rock'n'Louder)

Com casa cheia foi tarefa do sexteto Armored Dawn aquecer o público para o show de Tarja Turunen, uma das maiores cantoras líricas da atualidade. Banda formada pelos músicos

Eduardo Parras (vocal), Timo Kaarkoski (guitarra), Tiago De Moura (guitarra), Fernando Giovannetti (baixo), Rafael Agostino (teclado) e Rodrigo Oliveira (bateria) traz para o público músicas que mesclam o power metal com o tradicional. Agora, empunhando uma espada como apoio ao microfone, Eduardo Parras cantou músicas do álbum Power of Warrior (2016) com grande performance dos músicos em William Fly, Prison, Viking Soul e King! Um bom aquecimento para o grande show da Tarja. Era interessante notar que muitos fãs havia se vestido com trajes medievais para o evento – um público diferente do normal para um show da cantora.

FlavioHopp-20170520-ArmoredDawn-013.jpg

                Tarja Turunen veio á São Paulo promover seus dois álbuns lançados em 2016 – The Brightest Void e The Shadow Self. Álbuns tecnicamente perfeitos, a cantora veio para São Paulo mostrar um pouco de sua evolução musical. Interessante que para uma profissional que não quis mais compôr Heavy Metal, fez músicas absurdamente pesadas e que ao vivo são inclusive ainda mais pesadas que as promovidas pelo Nightwish. A cantora em si é simplesmente a vocalista mais incrível que se pode ver ao vivo. A técnica impressionante faz com que em cada nota de sua voz seja a nota correta. Músicas difíceis como Shameless (Brightest Void/2016) fazem com que meus ouvidos não saibam ao certo o que ouvir direito – a banda ou os vocais incríveis da cantora. Percebe-se que a cantora lírica faz sua própria linha vocal, pois nada segue uma linha coerente e combina direitinho com os instrumentos. É como se ela fosse um instrumento independente do restante da banda – o que é absurdamente incrível. A audição da cantora é simplesmente invejável. O peso em No Bitter End (Brightest Void/2016) dão um contraste Hard Rock misturado ao Heavy Metal e traz melodias tortas que entram em conflito com o doce vocal meio pop – um som que funciona muito bem ao vivo. O peso retratado em Demons In You (Shadow Self/2016), por exemplo, faz um contraste incrível ao que a cantora trouxe até hoje em termos de peso em sua música. Que paulada. O cover que a cantora fez para Supremacy do Muse para mim, no entanto, é completamente desnecessária, mas somente prova como quando bem interpretada vocalmente, faz com que a música se transforme totalmente. Já critiquei isto quando ouvi o álbum e ao vivo ficou ainda mais estranho, pois algo parecia faltar ali para completar a música. O vocal de Tarja no entanto traz uma textura á música que faz Matthew Bellamy (vocalista,guitarrista do Muse) ficar com vergonha. Mas acho as músicas de seu trabalho solo melhor como a boa Love to Hate (Shadow Self/2016) que consegue medir muito bem potência e delicadeza, especialidade da cantora. Explosão vocal, como ela mesmo identificou na época do Nightwish, nunca será seu forte. A cover do Nightwish que a cantora escolheu inclusive, Tutankhamen/Ever  Dream/ The Riddler/ Slaying the Dreamer, é o símbolo da delicadeza e do controle de voz. É uma das coisas mais lindas que se pode ouvir. Um grande show da cantora que variou entre momentos incríveis e ainda acho que ás vezes contradiz ao que ela mesma quer para sua vida profissional como cantora. No entanto para os fãs, é um deleite poder ver uma das grandes cantoras em atividade querendo fazer Heavy Metal de qualidade. Bravo!

Tarja em apresentação no Tom Brasil

 

Setlist Tarja

Demons In You

500 Letters

No Bitter End

Lucid Dreamer

Shameless

Calling from the Wild

Supremacy (Muse cover)

Tutankhamen/Ever  Dream/ The Riddler/ Slaying the Dreamer (Nightwish cover)

Until Silence/The Reign/Mystic Voyage/House of Wax/I Walk Alone

Love to Hate

Undertaker

Too Many

Victim Ritual

BIS

Innocence

Die Alive

Until My Last Breath

 

 

%d blogueiros gostam disto: